Nos caminhos da Rota da Seda: Dunhuang

Este post é parte de um dos capítulos do livro que estou escrevendo sobre minha estadia na China

Carmen Lícia Palazzo.

“(…) Já há alguns anos eu me interessava pela história de viajantes que, através dos séculos, percorreram toda uma rede de estradas e caminhos que atravessavam a Ásia e chegavam até os portos orientais do Mediterrâneo. Estes viajantes que seguiam quase sempre em grandes caravanas eram mercadores, peregrinos, missionários, agentes oficiais, diplomatas e aventureiros das mais diversas etnias e que, de forma direta ou indireta, participavam de um importante intercâmbio não apenas comercial mas também de ideias e de crenças religiosas.

A grande movimentação que ocorreu principalmente entre os séculos II e XIV, despertou grande interesse nos arqueólogos, historiadores e orientalistas no decorrer de todo o século XIX. Foi então que o geógrafo e explorador Ferdinand von Richthofen cunhou o nome de Rota da Seda para aquela imensa rede de comunicações, em virtude da seda ter se constituído em um dos mais caros e cobiçados produtos que o Oriente enviava para a Europa.

Não tive dúvidas e organizei eu mesma e sem nenhuma agência de turismo, apenas fazendo uso da internet, uma viagem que incluiria inicialmente Dunhuang, a cidade que se desenvolveu a partir de um oásis no deserto de Gobi, na província do Gansu, ao norte da China. De Dunhuang iria depois para Xi’an, mas aquele primeiro destino era um dos que eu mais desejava conhecer.

Desde o início da temporada chinesa o Paulo Roberto e eu tínhamos combinado que caberia a mim a organização de nossas viagens, a escolha de roteiros, de hotéis e até mesmo os horários e meios de transporte que utilizaríamos (na maioria das vezes o trem), pois eu já havia lido e me informado intensivamente sobre o país. Assim, lá estávamos nós, então, frente à grande oportunidade de conhecer de perto alguns daqueles que tinham sido os pontos altos da lendária rota das caravanas.

Durante toda a Idade Média, o oásis de Dunhuang foi um local de encontro e de reabastecimento na rota das caravanas que ali se preparavam para etapas mais difíceis que ainda encontrariam pela frente. O lugar era estratégico para o descanso, no entroncamento de vários caminhos, já que os caravaneiros seguiam para destinações diversas, entre elas a Índia, o Tibete, o Irã e os portos mediterrâneos orientais. O que as pesquisas mais recentes têm mostrado é justamente uma enorme variedade de contatos, apontando para uma rede de intercâmbio muito mais densa do que a que foi vislumbrada pelos orientalistas do século XIX.

Desembarcamos em Dunhuang após um ótimo vôo em uma companhia aérea chinesa, tendo sido esta uma das poucas viagens que não fizemos de trem, dada a grande distância de Xangai até a província de Gansu. No aeroporto, nos esperava um simpático motorista enviado pelo Silk Road Hotel, que eu já havia reservado através de uma página que encontrei na internet. A chegada ao hotel foi impressionante, o prédio era imponente, de uma beleza sóbria e sem nenhuma outra construção à sua volta. Na imensa recepção, tapeçarias, pinturas, objetos e mapas formavam um ambiente luxuoso e elegante. O quarto era encantador, decorado com estofados de qualidade, uma colcha de seda macia e aconchegante, as paredes enfeitadas com caligrafia chinesa em pedaços de bambu e, da janela, a vista, ao longe, das dunas do deserto. Tudo isto por um preço de qualquer outro hotel médio no Ocidente mas também em outras cidades chinesas.

Uma hospedagem perfeita se não fosse a total incapacidade dos funcionários do hotel, mesmo na recepção, de falar em inglês ou qualquer outro idioma ocidental com os hóspedes. Foi ali que descobrimos que a expressão “hotel internacional” é uma ficção em muitas cidades do interior, ainda que seu nome seja pomposamente anunciado em inglês em todos os folhetos e sites. Concluímos que turistas estrangeiros viajando sem excursão, sem um guia local especializado, como sempre foi o nosso caso, constituíam-se numa raridade.

Lembro que tentei, justamente naquele hotel, pedir açúcar para o meu chá, o que foi impossível. Em primeiro lugar porque os chineses tomam chá sem açúcar, mas também porque a palavra tang, que eu tentava pronunciar corretamente, pode significar várias coisas, dependendo do tom de voz em que é dita, inclusive sopa. E considerando-se que, para eles, não é impossível tomar sopa acompanhada por um chá, sempre que eu fazia meu pedido, em vez de açúcar era brindada com um fumegante pote de sopa!

A dificuldade de comunicação, porém, não impediu que a viagem fosse memorável. E, afinal, a beleza do hotel e a simpatia e os sorrisos de seus funcionários nos conquistaram e fizeram também com que nossa estadia fosse muito agradável. Digo sem pestanejar que eu me hospedaria nele novamente, mas é claro que agora falando um pouquinho de mandarim… Combinamos com o motorista que havia nos esperado no aeroporto (e que falava um pouco de inglês, pouco mas o suficiente para os acertos sobre roteiros) que nos levasse ao que mais queríamos ver próximo a Dunhuang, o conjunto conhecido como grutas ou cavernas do desfiladeiro de Mogao.

Em um longo e impressionante  desfiladeiro situado em uma das pontas do deserto de Gobi, começaram a ser escavadas, desde o século IV, inúmeras cavernas cujo objetivo era o de abrigar comunidades de monges budistas que dariam apoio espiritual para os integrantes das caravanas que tinham, naquela região, a última parada ainda sob proteção do governo chinês. A própria cidade-oásis de Dunhuang era o derradeiro posto militar chinês antes da fronteira e a partir dali os viajantes passavam a enfrentar rotas menos protegidas e certamente expostas a maiores perigos.

Os monges que foram se instalando em Mogao através dos séculos desenvolveram uma ativa comunidade que se transformou em importante centro de devoção. Não era incomum que os viajantes com algumas posses encomendassem pinturas e esculturas para decoração das cavernas, tanto para pedir bençãos para enfrentar os percalços dos longos caminhos que os esperavam pela frente, quanto para agradecer o retorno ao território chinês, após aventuras bem sucedidas. Por outro lado, pagar para que as cavernas fossem escavadas e decoradas com belas obras de arte era um ato que permitiria, para os budistas, a acumulação de mérito, importante para que os próximos renascimentos ocorressem  em situação favorável. Assim, não só viajantes foram os responsáveis pela arte de Dunhuang e os especialistas atualmente consideram que muitos foram os mecenas de toda aquela beleza, provavelmente também muitas autoridades locais.

Aos poucos foi aumentando o número de cavernas cujo interior era recoberto de pinturas e esculturas e já no século XIV o conjunto artístico havia atingido o seu auge. Ao todo elas são 492 decoradas e mais 243 que no passado serviram como celas para o alojamento e as atividades diárias dos monges. Tudo isto eu conhecia um pouco através de alguns livros e, há anos, tinha encontrado breves referências a Dunhuang nos museus da Smithsonian Institution, em Washington, D.C. Mas, de repente, eu estava ali vivendo uma experiência mágica. Era a minha chance do contato direto com aquele que é considerado o mais excepcional conjunto de arte budista conhecido.

O impacto, logo que nos aproximamos de Mogao, foi muito grande: o solo arenoso do oásis, o leito seco de um rio e a longa ravina toda perfurada com aberturas que são as portas de entrada de cada caverna, criando um bordado ao longo de todo o paredão. Ao nos aproximarmos, nos deparamos com um belo pórtico de madeira pintada, marcando a entrada principal do acesso às cavernas. Uma guia chinesa de ótima formação, com evidente conhecimento das diversas características da arte budista, nos acompanhou na visita que foi organizada no próprio local. Por questão de segurança não se pode fazer a visita sem o acompanhamento de um guia, dada a fragilidade de cada interior decorado.

É difícil descrever a sensação de ver tudo aquilo ao vivo. Há uma profusão de pinturas que cobrem as paredes e os tetos com temas relacionados ao budismo, mas também descrevendo as atividades rotineiras das caravanas, com cenas de viagem e também da vida diária. Os personagens retratados não são apenas chineses, há muitos mongóis, tibetanos, árabes e representantes de outros povos que circularam pela região. E, além das pinturas, há muitas esculturas, algumas delas de imensos budas.

Na caverna de número 126, uma pintura magnífica relata a história do monge Xuanzang, que foi à Índia em busca dos textos sagrados do budismo e é considerado um dos mais famosos viajantes da Rota da Seda. Xuanzang divulgou os ensinamentos de Buda na sociedade chinesa e sua memória ainda hoje é evocada com respeito e admiração, em vários templos espalhados pelo país.

Na caverna 296, uma belíssima pintura relata a viagem de um homem cujas feições não são chinesas. Provavelmente um árabe, conduzindo um camelo carregado de mercadorias, acompanhado de um chinês montado em um cavalo. Os mercadores árabes e persas frequentaram a Rota da Seda e muitas vezes chegaram a se estabelecer na China onde seus negócios prosperaram. A caverna    tem, no seu interior, também uma estátua monumental de Buda.

Em mais de um dos interiores foram pintadas as apsaras, figuras femininas muito graciosas e delicadas que para nós, ocidentais, evocam anjos ou fadas, muitas vezes tocando instrumentos musicais. São seres celestiais do panteão budista cuja função é principalmente decorativa, levando alegria às cenas das quais fazem parte. Durante a visita, entra-se apenas em um número limitado de cavernas mas mesmo assim o esplendor é tanto que a emoção perdura por um longo tempo mesmo depois que se deixa o lugar. A sensação que eu tive foi a de ter visto algo único não apenas pela sua qualidade artística mas também pela enorme densidade histórica de toda a região. E esculturas mais recentes das apsaras, seguindo o modelo das que foram encontradas nas pinturas antigas, também estão espalhadas pelo oásis, encantando-nos com sua leveza.

Além das grutas de Mogao visitamos também o museu de Dunhuang e uma parte do deserto onde está o lago da Lua Crescente. O lago tem a forma de meia-lua e suas águas são cristalinas e muito limpas apesar de toda a areia das dunas à sua volta. É uma paisagem única, não alterada há muitos séculos. Foi divertido caminhar pelas dunas, ver de perto os camelos que circulam por ali e ter uma ideia do que devem ter enfrentado os viajantes de outras épocas, para os quais aquela era apenas uma parte da imensa jornada que os levaria a atravessar a Ásia Central.”

Breves reflexões sobre a China

Quem já morou na China constata o controle que é exercido pelo governo mas, ao mesmo tempo, a liberdade que têm os chineses de viajar para o exterior, de estudar fora, sair e voltar para o país em diversas oportunidades.

Sem dúvida, a China é um governo de partido único, sem dúvida o Xi Jiping endureceu mais os controles do que os do tempo do Hu Jintao, mas um considerável grau de liberdade e de empreendedorismo continua vigente, o que agrada sobretudo a uma população mais jovem. Mais dinheiro no bolso, aumento do poder de compra, facilidades de pagamento, uma impressionante modernidade na qual até a compra de verduras nos mercados é feita com o celular (altamente disseminado entre as pessoas, mesmo nas pequenas cidades) são fortes antídotos contra rebeliões.

O crescimento da economia e sua impressionante modernização, assim como o efetivo combate à pobreza são aliados do governo.

Entre 28 e 29 de junho vai ocorrer, em Osaka, no Japão, o encontro do G20. Trump e Xi Jiping obviamente estarão lá e fala-se de uma reunião privada entre os dois. Como o presidente americano acaba de voltar atrás em relação às tarifas para o México, aguarda-se para ver o que dirá ao Xi.

De qualquer maneira, a intransigência dos EUA dificilmente enfraquece Xi Jiping internamente, muito pelo contrário. Quem está colocando problemas no relacionamento entre ambos os países são os EUA e não a China e isto tem sido dito claramente para a população chinesa. 

No seu estilo habitual, Donald Trump já voltou um pouco atrás, tendo declarado que: “Maybe something will happen” e também que: “We’re going to be meeting [ele e Xi], as you know, at the G20 in Japan, and that’ll be, I think, probably a very fruitful meeting”(Fonte desta declaração: South China Morning Post, 23. maio. 2019).

Ao contrário de muitos outros países, que costumam deixar claras suas intenções, a China é mais sutil e mesmo ambígua e os chineses são famosos por sua capacidade de negar algo raramente usando a palavra “não”. Resta, assim, observar realmente o que vai sair deste encontro em breve, já que o presidente americano, sem dúvida não por sutileza, poderá surpreender.

Quero lembrar, ainda, que qualquer avaliação sobre a China que enfatize o marxismo ou mesmo, como o fez recentemente uma autoridade brasileira, o “maoísmo”, estará partindo de premissas equivocadas. A especificidade chinesa combina a liberdade econômica com algo que vem de muito longe, a forte influência da mentalidade confucionista.

Se a leitura, as discussões e o estudo de Confúcio foram banidos durante os duros anos da Revolução Cultural e não contavam com a simpatia do próprio Mao, os comportamentos da população, as chamadas mentalidades continuavam influenciadas pelo confucionismo. E os atuais dirigentes chineses sabem que os ditos “clássicos” podem ser aliados na valorização da hierarquia e em tantos outros aspectos que fazem da China um país que respeita sobremaneira os seus mestres.

Entender o país implica em um estudo aprofundado da sua rica história, que de modo algum pode ser reduzida a uns poucos anos contemporâneos. Há muitas camadas que tornaram a China, através dos milênios, uma sociedade como ela é hoje. Precisamos de especialistas em negociações com a China, mas precisamos e muito de diversos historiadores e cientistas políticos que estudem o país com um olhar que nnao se atenha exclusivamente à Economia. Mesmo para desenvolver as relações econômicas.
(Carmen Lícia Palazzo)

A Idade de Ouro do Islã: o mecenato do Califado Abássida e a Casa da Sabedoria

CARMEN LÍCIA PALAZZO.

Resumo: O presente artigo analisa alguns aspectos da chamada Idade de Ouro do Islã e tem, como fio condutor, as realizações do califado abássida, com foco no período que vai de 762, data do estabelecimento da capital em Bagdá, até 833, ano da morte do califa Al-Mamun. A Casa da Sabedoria (Bayt al-Hikma) é a imagem mais forte de múltiplas atividades cuja memória permanece ainda presente, testemunho de um período da história do Islã no qual o poder califal exercia o mecenato nas ciências, na filosofia, nas artes e na literatura.

Abstract: This article analyses some aspects of the so-called Golden age os Islam by following the works of the Abbasid Caliphate, concentrating on the period ranging from the establishment of the capital at Baghdad up to 833, year of Al-Mamun’s death. The House of Wisdom (Bayt al-Hikma) is the most potent image among manifold activities, the memory of which lives on the present day. It bears witness to a period in the History of Islam during Which caliphal power acted as a patron to sciences, philosophy, arts, and literature.

Palavras-chave: Idade de Ouro – Islã – Califado Abássida – Bagdá. Keywords: Golden Age – Islam – Abbasid Caliphate – Baghdad.

Uma das mais difundidas obras da literatura do Oriente Médio, As mil e uma noites, relata, em algumas passagens de seu texto, as aventuras fictícias de um personagem verdadeiro, o califa Harun al-Rashid (c. 763-809) que, na companhia de seu vizir Al- Ja’far, andava incógnito pelas noites de Bagdá.2 A apropriação literária de uma relevante figura histórica dá a medida da importância dos abássidas no imaginário árabe, imortalizando um de seus califas mais marcantes muito além das crônicas históricas tradicionais.

A origem do califado, porém, é bem anterior às peripécias do notívago soberano. Logo após a morte do Profeta Maomé (570-632), foi necessário definir as regras da sua sucessão. Ele era considerado o último dos profetas, o mensageiro das palavras divinas, portanto nenhum outro iria igualá-lo em termos religiosos. O que se buscava, então, era um Khalifah, um sucessor que seria o comandante da comunidade dos fiéis (umma), tanto do ponto de vista religioso quanto político e militar.

Os quatro primeiros califas foram escolhidos entre os que estavam muito próximos a Maomé e ficaram conhecidos pela alcunha de “os bem guiados” justamente em virtude da sua fidelidade aos ensinamentos do fundador do Islã. A eles seguirá uma dinastia da família dos Omíadas que sobe ao trono após as lutas sucessórias que levarão à cisão da qual se originará o grupo dos xiitas

O período no qual os Omíadas estiveram à frente do califado, entre 661 e 750, foi de uma considerável expansão do Islã e de sua consolidação não apenas na Península Arábica mas também no norte da África e na Pérsia, com intensa atividade na importante rota comercial que mais tarde seria denominada Rota da Seda.

Permaneciam, no entanto, mesmo entre os sunitas, os questionamentos da legitimidade sucessória. Os Omíadas foram derrubados após violentos conflitos e uma nova dinastia subiu ao poder. Um único sobrevivente da dinastia derrotada consegue fugir para o Magreb, passando alguns anos no Marrocos, de onde seguirá, depois, para o sul da Espanha, instalando-se em Córdoba. É em Al Andalus que se desenvolverá um novo emirado e posteriormente califado, completamente independente dos Abássidas do Oriente Médio e, no entanto, sem com eles concorrer ou criar grandes atritos.

Em 749, Al Saffah, descendente de Al Abbas, um tio Profeta, conseguiu arregimentar diversas tropas para que o proclamassem califa, na mesquita da cidade de Kufa. Ainda que os argumentos da importância da descendência de Maomé fossem invocados, os Abássidas contavam, a favor de sua rebelião, com mais um fator que foi muito importante para destronar os Omíadas, o grande descontentamento de elementos não árabes que estavam sendo notoriamente discriminados na corte. É a aproximação com os persas que vai proporcionar à nova dinastia que tomou o poder um apoio essencial para sua ascensão, mas também permanência no trono.


Al-Saffah, na mesquita de Kufa, no ano de 749, recebendo homenagens dos altos dignatários da corte, quando assumia o Califado. Miniatura persa realizada no século XIV. É interessante observar que, em diversos casos, na arte do século XIV, os árabes das classes mais altas eram retratados com as feições dos mongóis, o que correspondia à elite do comando da região na época em que a imagem foi realizada. (Do século XI ao XVI etnias turco-mongóis dominavam diversas regiões do mundo islâmico.)

A imagem do estabelecimento da dinastia abássida ficou presente durante muito tempo na memória dos muçulmanos e, no século XIV, uma bela miniatura persa evocava a cerimônia na qual Al-Saffah recebia homenagens de altos dignatários, na mesquita de Kufa, após ter sido designado califa.

Uma das principais fontes para o estudo do califado abássida é a obra do historiador persa Abu Ja’far Muhammad ibn Jarir al-Tabari (840-923) que, embora nascido na província do Tabaristão, viveu em Bagdá e viajou intensamente por todo o Oriente Médio. Al-Tabari escreveu uma extensa História dos Profetas e Reis, em 40 volumes, que ainda hoje é referência dado seu cuidadoso trabalho apontando inclusive muitos detalhes quando se tratava de informações divergentes (…)”

PARA LER O ARTIGO COMPLETO, ACESSAR O LINK:

https://www.revistamirabilia.com/sites/default/files/pdfs/2_0.pdf

Para citar: PALAZZO, Carmen Lícia. A Idade de Ouro do Islã: o mecenato do Califado Abássida e a Casa da Sabedoria. In COSTA, Ricardo da, e SALVADOR GONZÁLEZ, José María (orgs.). Mirabilia 25 (2017/2) Idea and Image of royal power of the monarchies in Ancient and Medieval World Concepção e Imagem do poder real monárquico no mundo antigo e medieval
Imágen y Representación del poder reyal de las monarquias en los mundos antiguo y medieval . Jun-Dez 2017/ISSN 1676-5818


A arte islâmica nos caminhos da Rota da Seda.

Carmen Lícia Palazzo. Resumo de apresentação em Mesa Redonda no CCBB em Brasília, em colaboração com a Embaixada da Espanha e a UnB: “Alhambras: o legado Andalusí”. Em 14. maio. 2019.

O estudo da arte islâmica e da sua expansão através da chamada Rota da Seda nos conduz à descoberta de fecundos intercâmbios de mercadorias e de ideias em múltiplas direções. Se a metalurgia sassânida deixou sua marca nas manifestações artísticas dos árabes que conquistaram o império persa, os mercadores muçulmanos que chegaram até a China, interessados no comércio e não na conquista territorial, levaram até o Extremo-Oriente sua crença, mas também as suas representações.

A Grande Mesquita de Xi’an é um eloquente testemunho deste encontro entre culturas tão distintas. A Península Ibérica, que na Idade Média se constituiu no que podemos chamar de extremo ocidente da Rota da Seda, evidencia também, e com muita clareza, tal intercâmbio. São exemplos importantes a contribuição do imperador bizantino na excepcional decoração de mosaicos da Grande Mesquita de Córdoba, realizada no califado de Al-Hakam II e os capitéis que se encontram no Marrocos, em construções dos almorávidas e dos almohadas, levados de Al-Andalus

Mihrab da Mesquita de Córdoba. Foto minha.

Longe de se constituir em uma religiosidade geograficamente delimitada, o Islã ganhou o mundo desde os seus primórdios, expandiu-se, conquistou, mas também assimilou outras culturas, o que nos leva a pensar que as análises das manifestações artísticas ditas islâmicas devem, necessariamente, levar em conta o rico intercâmbio que ocorreu nos caminhos de conquistadores, peregrinos e mercadores.

A mesquita de Córdoba e o Alhambra de Granada (Carmen Lícia Palazzo)

A mesquita de Córdoba e o Alhambra de Granada

Carmen Lícia Palazzo

Resumo: O presente artigo analisa dois dos mais significativos monumentos da Espanha Islâmica, a Grande Mesquita de Córdoba e a Alhambra de Granada, inseridos no contexto da história política da região. Destaca a participação de artistas cristãos bizantinos na decoração da mesquita e a relevância das artes ornamentais em ambos os monumentos, salientando a presença de referências ao luxo e ao ornamento no próprio Corão. No caso da Alhambra, evidencia a importância do conjunto como afirmação da dinastia Násrida, o que pode ser constatado por sua opulência, pela fartura de suas decorações e pela poesia epigráfica de Ibn Zamrak na Fonte dos Leões, declarando a origem genealógica de Mohammed V.

Abstract: This article analyses two of the most significant monuments in Islamic Spain: the Great Mosque in Cordoba and the Alhambra in Granada. Both are treated with regard to the political history of the region. The article stresses the role of Byzantine Christian artists in the decoration of the Mosque, as well as the relevance of decorative arts in both monuments, particularly the occurrence of Quranic mentions of luxury and ornament. It shows the importance, in the Alhambra, of the ensemble as an affirmation of the Nasrid Dynasty, by means of opulent decoration and the epigraphic poetry of Ibn Zamrak in the Fountain of Lions, declaring the genealogical roots of Muhammad V.

Palavras-chave: Espanha Islâmica – Grande Mesquita de Córdoba – Alhambra de Granada – Ornamento no Islã.

LINK para acessar o ARTIGO COMPLETO:

http://www.revistamirabilia.com/sites/default/files/pdfs/21-10.pdf